• PT
  • EN

Covis-19: População cega e surda precisa acessibilidade para lutar contra a pandemia

ShowCase  afirma que emissoras devem utilizar a accessibilidade – Audiodescrição e do Closed Caption – para que os deficientes visuais ou auditivos possam informar-se na televisão aberta

Empresa paulista afirma em comunicado que “o combate ao avanço do novo coronavírus (COVID-19) tem entre seus maiores aliados as emissoras de televisão aberta. Graças ao alcance nacional e audiência em todas as classes sociais, elas estão na linha de frente quando se trata de informar com responsabilidade. Apesar dos avanços das mídias sociais e do streaming, apenas grandes redes têm recursos humanos e técnicos para acompanhar as decisões governamentais, recomendações de organizações de saúde brasileiras e internacionais, desdobramentos da doença em outros países e seus efeitos no dia a dia dos cidadãos, além de apresentar entrevistas e análises em profundidade”.

De fato, afirma a Showcase, que com om as suas programações alteradas em função da pandemia, as emissoras de televisão registraram aumento nas audiências, conforme indicam os levantamentos feitos pelos principais institutos de pesquisa do país. A confiabilidade das informações apresentadas está entre os fatores-chave deste cenário.

“Estamos convictos do papel da radiodifusão na prevenção ao COVID-19 e da importância de levar as transmissões a todos os públicos, inclusive as pessoas com surdez ou cegueira. Esta crise global reafirma a importância da acessibilidade nas emissoras de televisão, para que todos entendam com perfeição as recomendações e determinações a cumprir”, afirma Marco Antônio Melo, diretor da ShowCase.

Assim, explica a empresa, “dezenas de emissoras e redes nacionais estão utilizando as tecnologias e serviços desenvolvidos pela ShowCase em 100% da programação para garantir a geração de Closed Caption (Legendas Ocultas) e Audiodescrição em tempo real. Entre as soluções adotadas estão o sistema gerador de legendas ocultas JOSIE, o remultiplexador inteligente IFN100, responsável por implementar as funções de acessibilidade no Padrão Brasileiro de Televisão Digital Terrestre (ISDB-T); além da extensa linha de codificadores e sistemas de auditoria”.