• PT
  • EN

SET Tech Webinar: SES apresenta panorama do mercado de satélites

O segundo encontro SET Tech webinar aconteceu na tarde desta sexta-feira,15, e contou com a palestra do diretor de vendas da SES, Jurandir Pitsch, sobre negócios no ramo satelital.

Pitsch iniciou os trabalhos falando do aumento do consumo de televisão, principalmente canais de notícias, devido à pandemia do novo coronavírus. Os canais tradicionais de TV são considerados fontes confiáveis de informação.

Segundo pesquisa da GlobalWebIndex, o consumo de TV e de TV online TV Linear (via internet) cresceram 38% e 37% respectivamente, desde o início do surto da Covid-19.

“O setor de satélite e de vídeo tem se mostrado bastante resiliente. Esse período de grande ansiedade, isolamento social gerou um aumento significativo na demanda e na audiência da televisão tradicional, a cabo e sob demanda”, pontuou.

Tal crescimento evidenciou o custo-benefício do satélite para distribuição de vídeo, especialmente em grandes audiências, se comparado ao IP.

“O custo de distribuição anual de um canal HD via satélite se mantém praticamente constante, em torno de 200 mil dólares. Enquanto o custo de distribuição via IP, a partir de 11 mil assinantes, começa a ficar mais caro”, afirmou Pitsch.

O executivo da SES apresentou três tecnologias aplicadas aos satélites da empresa para manter a qualidade do produto e serviço aliado à redução de custos: propulsão elétrica, digitalização e formação de feixe digital.

Propulsão elétrica: reduz o custo de lançamentos, prolonga a vida dos satélites, reduz o peso dos satélites

Digitalização: tamanho menor, flexibilidade da missão, melhor largura de banda, eficiência

a formação de feixes é uma técnica bem conhecida usada em muitas aplicações como radioastronomia e radares

formação de feixe digital: essa técnica depende da combinação na fase de múltiplas saídas de antena individuais para formar feixes eletronicamente.

“Cada satélite lançado é desenhado para ser lançado em posições orbitais específicas com determinadas áreas de coberturas e uma série de características definidas antes do lançamento. O que buscamos nas cargas digitais futuras é produzir satélites iguais, em série, que não saem com desenho de posição específica, mas com chips que podem ser programados no espaço para atender determinadas coberturas”, afirmou.

O SET Tech Webinars fala sobre tecnologia e negócios para a indústria de mídia e entretenimento. Para assistir a este webinar na íntegra, associe-se à SET.

O próximo será terça-feira, 19 de maio, às 14 horas. Confira a grade de programação e inscreva-se.