• PT
  • EN

Entrevista com Marcelo Souza, líder dos produtos digitais da Globo, sobre o Globoplay + canais ao vivo

O Grupo Globo anunciou no dia 31 de agosto a chegada do pacote Globoplay + canais ao vivo. Agora, os assinantes da plataforma de streaming têm a opção de consumo linear dos canais Globo da TV por assinatura, além de todo portfólio Globoplay  em um ambiente único, seguindo o conceito all in one

“Queremos dar a oportunidade dos fãs dos canais Globo, dentro dessa ampla oferta que cada um deles oferece (filmes, séries, esporte, jornalismo etc), consumi-los de uma maneira simples, direta”, afirmou o diretor de Produtos OTT da Globo, Marcelo Souza nesta entrevista:

SET: No dia 31 de agosto a Globo anunciou o Globoplay + canais ao vivo. Qual o impacto desta ação para a o futuro da TV por assinatura e para o streaming brasileiro?

Marcelo Souza: Com essa ação pioneira o Globoplay passa a disponibilizar  em um ambiente único a programação linear dos canais Globo diretamente para o público, que, por sua vez, passa a ter ampliado o seu poder de escolha. O novo pacote agrega  à plataforma o peso de todas essas marcas (TV Globo, Multishow, Globonews, Sportv 1, Sportv 2, Sportv 3, GNT, Viva, Gloob, Gloobinho, Off, Bis, Mais Globosat, Megapix, Universal TV, Studio Univeral, SYFY, Canal Brasil e Futura) além do seu portfólio de produções originais e exclusivas. Estendemos, com isso, nossa capacidade de ofertas de maneira que o público, com mais variados hábitos e preferências, possa encontrar no Globoplay um cardápio de conteúdos afinado com o seu perfil.

SET: Qual o público alvo desta ação? O objetivo é oferecer algo a quem não tem (ou já teve) acesso à TV por assinatura, ou leva em consideração as plataformas de consumo desse tipo de conteúdo?

MS: De maneira geral, queremos dar a oportunidade dos fãs dos canais Globo, dentro dessa ampla oferta que cada um deles oferece (filmes, séries, esporte, jornalismo etc), consumi-los de uma maneira simples, direta. Mas queremos também atingir uma parcela de pessoas que já saiu da TV por assinatura e  também um público importante que são os mais jovens e que  nunca desenvolveram um relacionamento com TV por assinatura e está mais familiarizado com o streaming.

SET: O valor do pacote “Globoplay + canais ao vivo” é de R$ 49,90. Como esse valor se compara aos valores de pacotes de TV por assinatura? Qual a estratégia?

MS: Esses são modelos de negócios distintos. A TV por assinatura  possui mais custos associados à operação física, como infraestrutura, equipamentos, instalação e muitas vezes atendimento técnico presencial, entre outros, diferentemente do streaming, que é todo virtual. Por outro lado, o streaming precisa estar associado a uma banda larga que tem custos nem sempre contabilizados nessa comparação. São essas diferenças que permitem ao mercado de streaming operar em patamares de preços bem diferentes, aos quais todos terão que se adaptar para atender os consumidores.

SET: Durante a pandemia, a audiência dos canais por assinatura cresceu, tendo como carro chefe o jornalismo. Esse modelo de negócio levou em consideração a importância do jornalismo e de análises ao vivo? 

MS: O Globoplay, cada vez mais, quer trazer informação e temas relevantes e o jornalismo é de extrema importância  para a plataforma. Já  tínhamos este entendimento antes da pandemia ao oferecer todo conteúdo jornalístico da Globo e do G1 inclusive para não assinantes. Agora com os canais ao vivo no qual está Globonews, o maior canal de notícias do país, certamente damos um salto nesta categoria. Destacamos ainda a parte de documentários que têm sido objeto de grandes investimentos da plataforma, tanto os realizados em parceria com o Jornalismo da Globo – como é o caso de sucessos  “Marielle” e “Em Nome de Deus” – como outros projetos em parceria com produtoras independentes como o recém-lançado “Narciso em Férias”.

SET: Além dos 21 canais Globosat, alguma melhoria ou funcionalidade foi acrescentada?

MS: Para a chegada dos canais ao vivo, a plataforma intensificou as melhorias em relação à arquitetura de informação, para tornar a navegabilidade mais intuitiva, e também à sua capacidade de distribuição, através da ampliação de sua CDN (Content Delivery Network ou Rede de Distribuição de Conteúdo), infraestrutura necessária para fazer aproximar a entrega do conteúdo de streaming dos pontos de consumo pela internet.

Chegamos em agosto deste ano com 1 Exabyte de distribuição, que equivale a mais de 1 bilhão de horas de consumo de vídeo, quase 4 vezes mais do que o número de horas consumidas no mesmo período em 2019. Na prática isso significa que mais do que dobramos a capacidade da nossa CDN, levando os nossos conteúdos para mais perto do consumidor em todo Brasil, usando a força da rede de afiliadas como pontos estratégicos da distribuição digital, já que nossas emissoras estão presentes nas 123 maiores cidades brasileiras. Além disso, houve uma revisão de toda a arquitetura de software para que o aplicativo pudesse somar essa experiência de consumo dos canais. Com isso, as pessoas em casa conseguirão ter a mesma experiência que têm na TV aberta em relação à troca dos canais.

SET: Gostaria de acrescentar mais alguma informação? 

MS: Lembramos que o novo pacote Globoplay + canais ao vivo – hoje disponível apenas para assinantes – poderá ser adquirido pelo público em geral a partir do dia 01 de outubro.