• PT
  • EN

COVID-19: Tráfego de internet no Brasil cresce 6 vezes nas redes da Angola Cables

Dado foi apresentado pelo CEO da empresa durante o Futurecom Digital Summit

O CEO da Angola Cables Antonio Nunes, CEO da Angola Cables, multinacional do setor das TICs que opera cabos submarinos de fibra óptica e datacenters no Brasil, participou do Futurecom Digital Summit – encontro on-line de executivos do setor de Telecom que trouxe uma prévia da 22ª edição do Futurecom, maior evento de tecnologia e transformação digital da América Latina, que acontecerá entre 27 e 29 de outubro no São Paulo Expo.

O tema da palestra foi O Ecossistema de Telecomunicações como Plataforma Habilitadora de Revolução Digital e contou com as presenças de Leonardo Capdeville (CTIO da TIM), Carlos Medeiros (Diretor de Regulamentação e Assuntos Institucionais da OI), Marcio Carvalho (CMO da Claro) e Ken Kennedy (EVP & President, Technology and Product, CSG  da CSG International) e moderando o painel, Alexandre Bicalho (Diretor de Regulação e Autorregulação da Sinditele).

Dentre os temas abordados pelos executivos, o destaque foi para as mudanças que a pandemia do COVID19 provocaram no padrão de uso de internet: aceleração da transformação digital, principais aspectos da alteração do perfil do consumidor no uso da internet e tecnologias que estão sendo aplicadas para aperfeiçoar a experiência digital.

Nunes revelou que apesar da pandemia, as empresas de Telecom como a Angola Cables, já vinham se preparando para uma demanda maior de consumo de dados por parte dos consumidores. “Então, a COVID19 não nos pegou de surpresa. O processo de investimento em Telecom sempre foi necessário, embora observemos um impressionante crescimento na demanda neste período de quarentena. Nas redes da Angola Cables no Brasil, por exemplo, o consumo de dados em backbone, backhaul e cabos submarinos aumentou 6 vezes. Na África, o consumo dobrou e no mundo ela triplicou”, disse o executivo.

Os participantes também discorreram sobre o ambiente regulatório e tributário do país, que precisa ser aperfeiçoado para que o investimento do setor privado melhore cada vez mais e de forma capilarizada, o acesso da população mais pobre à internet; e também como as empresas estão se adaptando para atender às suas bases de clientes.

“Os preços dos serviços que oferecemos é um fator decisivo para os clientes. Por isso, além de valores compatíveis com a realidade, oferecemos serviços premium e pacotes específicos para cada segmento e cada cliente para continuarmos competitivos”, avalia Antonio Nunes.

Os debatedores também discorreram sobre o 5G no Brasil e a necessidade de as empresas estarem realmente preparadas, para que não ocorra atrasos na entrega da tecnologia quando ela começar a ser implementada, uma vez que terá impacto significativo para o crescimento do PIB do pais nos próximos 20 ou 30 anos.

“As operadoras de Telecom que vão operar com a tecnologia precisam ser sustentáveis a longo prazo. Sem isso, a implementação do 5G poderá sofrer diversos adiamentos”, alertou o CEO da Angola Cables.