• PT
  • EN

SET e Trinta Webinar Series: SET reúne executivos de Globo, IABM, ATSC, NAB e IBC para discutir os desafios e o impacto do COVID-19 no setor de radiodifusão

A série de webinars produzidos pela SET chegou ao seu quinto evento com um painel inteiramente internacional e com grande participação do público.

Cerca de 330 pessoas acompanharam Raymundo Barros (CTO – Globo), Riika Koponen (analista-chefe IABM), Madeleine Noland (presidente ATSC), Naomi Climer (presidente do conselho do IBC) e Sam Matheny (CTO – NAB) em um debate sobre os principais desafios do setor e quais os impactos do coronavírus nesses desafios.

Raymundo Barros, CTO Globo

Barros foi o moderador e iniciou o webinar destacando que a pandemia foi um elemento de disrupção e acelerou a transformação na indústria de mídia.

“A indústria passou por uma profunda transformação. Os modelos de negócio tradicionais, sejam eles a publicidade ou os modelos de distribuição por assinatura, estão extremamente pressionados. Essa pressão vem de um ambiente de transformação tecnológica. Novos players que entraram da noite para o dia e passaram a ter uma grande fatia das nossas receitas”, afirmou.

O CTO da Globo completou sua introdução com um questionamento. “O principal desafio da indústria de mídia é a transformação dos modelos de monetização. De que maneira a tecnologia permitirá que os negócios em tv aberta e as operações de distribuição com as operadoras possam se apropriar de modelos de negócios e métricas que são praticamente digitais?”

Colaboração

Riika Koponen, Analista-chefe IABM

A analista-chefe da IABM, Riika Koponen, foi a primeira palestrante a se apresentar.

Em sua palestra, destacou que o mercado está mais colaborativo, tanto entre os players quanto entre as empresas e os consumidores. A migração das empresas para um modelo de tecnologia e negócios mais colaborativa fica evidente por meio, por exemplo, do investimento nos provedores de serviços em nuvem no setor de mídia.

A parceria e o co-desenvolvimento entre fornecedores e compradores também tem crescido, pois permite a interoperabilidade de diferentes soluções tecnológicas para resolver os novos problemas colocados pelas ofertas digitais.

“Os negócios tornaram-se mais consultivos por natureza, devido à mudança do equipamento desenvolvido para atender funções virtualizadas”, afirmou.

Flexibilidade

Madeleine Noland, presidente ATSC

Madeleine Noland é presidente do ATSC e participou de todo o desenvolvimento do ATSC 3.0.

Dentre os principais avanços tecnológicos do ATSC 3.0, pode-se destacar a experiência aprimorada ao consumidor graças a maior qualidade de áudio e vídeo, acessibilidade e interatividade; possibilidade de novos modelos de negócios, como publicidade, serviços de pay-per-view e datacasting; e por ser um híbrido Over the Air (OTA) e Over the Top (OTT) com todo o sistema baseado em IP.

Segundo Noland, cada radiodifusor tem suas particularidades. Dessa forma, graças ao sistema baseado em IP, o ATSC 3.0 tem uma flexibilidade que permite ao radiodifusor escolher o melhor modelo que atende às suas necessidades.

“O ATSC 3.0 é atualmente o único padrão DTT que especifica o transporte IP, permitindo muitos cenários de convergência entre o ATSC 3.0 e outras redes baseadas em IP”, afirmou.

 

Consumidor

Sam Matheny, vice-presidente executivo NAB

Sam Matheny é vice-presidente executivo e diretor de tecnologia da National Association of Broadcasters (NAB) e possui mais de 25 anos de experiência nas indústrias de transmissão e redes de dados.

Enquanto Noland focou sua apresentação do ATSC 3.0 sob a ótica técnica dos radiodifusores, Matheny trouxe a perspectiva do consumidor, ou seja, do telespectador.

De acordo com o executivo da NAB, são seis melhorias que o ATSC 3.0 proporciona, garantindo consumo e fidelização das pessoas ao conteúdo dos radiodifusores.

– Melhor imagem;

– Melhor áudio;

– Melhor engajamento, devido à interatividade;

– Melhor distribuição do conteúdo por meio de redes e dispositivos com tecnologia IP;

– Melhor segurança, ou seja, proteção de conteúdo;

– Melhor capacidade de configurar uma transmissão para atender às necessidades do mercado (Mod/Cod, PLP, SFN)

Oportunidades

Naomi Climer, presidente do Conselho do IBC

A presidente do Conselho do IBC, Naomi Climer, encerrou o webinar com uma apresentação focada nos impactos da pandemia do Covid-19 no setor.

“A radiodifusão teve um papel importante no compartilhamento de informações e entretenimento durante a pandemia”, afirmou.

A executiva do IBC destacou que o cenário atual é propício para as empresas investirem no treinamento e aquisição de proficiência em questões como sustentabilidade, diversidade e inclusão.

“Este é um bom momento para gerar oportunidades rápidas! Oportunidade para empresas e entidades serem mais colaborativas e apoiarem o setor no enfrentamento à pandemia, dando suporte umas às outras, devido à perda de receita e modelos de negócios frágeis”, encerrou.